Visitantes

Nós temos 41 visitantes online

design by A.Coutinho - powered by Joomla!
Problemas na visualização?
copyright © 2011, A.Coutinho - Todos os direitos reservados.
Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem autorização expressa.
HTML Válido! - CSS Válido!

Início - Diário - Segundo dia [16/08/2011]

 

Erro
  • JUser::_load: Unable to load user with id: 86

Diário de bordo

Acompanhamento diário da Expedição.

Segundo dia [16/08/2011]

Postado por Alvaro Coutinho
Alvaro Coutinho
Alvaro Coutinho ainda não preencheu sua biografia
Usuário está offline
em Seg, 22 Agosto 2011 em Diário

Iniciamos o segundo dia da Expedição saindo do acampamento no Dumbá às 09:15h. com um dia que prometia ser ensolarado e quente. Ao longo do trecho que seguimos até Cocalinho, no Mato Grosso, continuamos observando as condições assoreadas do rio. Árvores enormes, jatobás e ipês em grande parte, tombados ou em vias de tombar, em ambas as margens.

Nesse trecho, nos deparamos com uma enorme rede de pesca, meio embolada, atestando a depredação desenfreada e impune.

Chegamos em Cocalinho por volta de 10:35h. onde nos reabastecemos de água potável, seguindo viagem logo em seguida. Nesse segundo dia ventou bastante, entre dez e quatorze horas, deixando o rio ligeiramente Ainda em Cocalinho, conversando com um morador local, antigo na comunidade - conhecido Sr.Zequinha - fundador do Sindicato dos Trabalhadores Rurais e Associação de Proteção do Meio Ambiente locais -, confirmamos mais uma vez a degradação constante por que vem passando o Araguaia. Menos peixe, maior dificuldade na navegação, desequilíbrio climático, mudanças no próprio curso do rio.

Almoçamos no Lago Rico, um pouco dentro de sua "boca", em uma minúscula areia onde uma Onça de bom porte, provavelmente Pintada, havia passado com três filhotes há bem pouco tempo. Os ratros impressos na areia molhada eram nítidos e frescos.

Lago famoso e muito extenso, já foi muito rico em peixes, bichos e tartarugas, provavelmente daí o nome. Atualmente, resta apenas a beleza. A areia era tanta que foi um tanto difícil a entrada e saída do lago. Assoreamento é a constante implacável.

Passamos a entrada do Lago da Saudade, eternizado pela bucólica lembrança de Couto de Magalhães, em sua famosa Viagem ao Araguaia e cruzamos a barra do rio do Peixe, no lugar conhecido por Ranchão da Viúva, a tarde já adiantada.

O sol já havia se recolhido quando atingimos o local de nosso segundo pernoite, a barreira do Landi. Tentamos atingir uma praia conhecida por nosso piloteiro, todavia, não encontramos um local favorável ao acampamento e tivemos que retornar rio acima, até uma grande extensão de areia, onde outrora o rio corria. Ali acampamos em nossa segunda noite no rio.

Nessa noite, após jantarmos, nossos companheiros argentinos, o Max e o Sergio, conseguiram pegar alguns peixes, inclusive duas pequenas Bargadas e uma Cachorra Facão, todas devolvidas vivas ao rio.

 

Veja imagens relativas ao segundo dia da viagem.

 

TAGs: Sem TAGs

Comentários

Sirineu
Sirineu
Sirineu ainda não escreveu nenhuma biografia
Usuário está offline
Sirineu Seg, 22 Agosto 2011

O Alvaro, o seu relato me deixa um pouco tristonho dos aspectos citados por voce, do assoreamento do rio Araguaia. Vejo cada vez mais acentuado a campanha que tenho que começar quanto as reavivamento das matas ciliares de todos os rios de Goiás. Isto deve contar com toda a população e mais alguns que são afetados por esse mundão de areia que invade o rio da nossas esperanças, o nosso rio Araguaia.

Para fazer um comentário, você precisa estar conectado. Clique AQUI e faça seu login.
Powered by EasyBlog for Joomla!