Visitantes

Nós temos 10 visitantes online

design by A.Coutinho - powered by Joomla!
Problemas na visualização?
copyright © 2011, A.Coutinho - Todos os direitos reservados.
Nenhuma parte deste site pode ser reproduzida sem autorização expressa.
HTML Válido! - CSS Válido!

Início - Diário - Nono dia [23/08/2011]

 

Diário de bordo

Acompanhamento diário da Expedição.

Nono dia [23/08/2011]

Postado por Alvaro Coutinho
Alvaro Coutinho
Alvaro Coutinho ainda não preencheu sua biografia
Usuário está offline
em Ter, 30 Agosto 2011 em Diário

No amanhecer dessa terça, desmontamos nossa acampamento fronteiro a São Félix e por volta de 08:15h. rumamos rio abaixo, em direção a Aldeia Karajá de Santa Izabel do Morro, onde já nos aguardava o Vice-Cacique Jamarru, com sua habitual simpatia.

Tendo nos recebido no porto da Aldeia, juntamente com o ex-Cacique e líder da Aldeia, chamado Koxini. Experiente e de bem mais idade que Jamarrú, Koxini discorreu sobre diversos aspectos da vida Karajá na Aldeia de Santa Izabel do Morro, em entrevista a José Olegário. Observamos sempre uma grande preocupação em relação ao contato com o branco, o problema da bebida, drogas e outras mazelas do algo complicado convívio.

Notamos também, na maior parte dos contatos que tivemos até aqui, uma preocupação em relação à questão da hidrovia no Araguaia. Não encontramos um único indígena sequer que fosse favorável a ideia, ou entendesse que tal obra possa trazer qualquer tipo de consequência favorável ás suas vidas ou aldeias.

Resolvemos também, nessas alturas, o problema de conseguir um guia/piloteiro que nos levasse pelo resto da viagem. O jovem Tekuala Sakriwa Karajá, de vinte anos e já pai de dois filhos pequenos. Muito atencioso, tem se mostrado muito competente no manejo da embarcação.

Em seguida, fomos até a escola da aldeia, onde um "enxame" de crianças indígenas nos cercaram, alegres e brincalhonas, em sua hora de recreio e lanche. Tomamos refresco e comemos pipocas junto com elas. Um momento de rara felicidade e descontração. Fomos recebidos pela Diretora Waxiaki, cujo depoimento sobre a forma de transmissão cultural e educacional ficou gravado em vídeo. Em paralelo com o aprendizado do português, é ensinado também a linguagem Karajá, fundamental fator na preservação cultural da etnia.

Após a visita, nos despedimos e prosseguimos viagem, almoçando em uma entrada de lago, bem abaixo de São Félix. Por volta de 16:30h. avistamos a Aldeia Fontoura, e para lá seguimos. Chegamos na Aldeia em um momento de rara felicidade, justamente no momento em que se preparavam para a dança do Aruanã, uma tradição forte na cultura Karajá. Fomos acolhidos sem reservas e convidados a assistir a cerimônia, por sinal não muito longa. Conseguimos obter permissão para fotografar a espécie de dança cerimonial e aspectos da aldeia, sem maiores restrições. Apenas a casa do Aruanã não devia ser fotografada; local sagrado para o Karajá.

Terminada a dança, conversamos bastante com o Caquique Mairú, sempre solícito, falando um português quase perfeito e sem qualquer problema de entendimento. No final, os índios iniciaram uma espécie de jogo, onde as mulheres tentavam pintar o rosto dos homens com uma tinta, aparentemente produzida com carvão e óleo. Uma correria danada, uns tentando pintar os outros... e nessa história acabou sobrando para nós. Tanto eu quanto o Paladini e o Olegário ganhamos nossa parte de tinta preta no rosto... em meio ao delírio das índias, índios e, principalmente, a criançada. Foi o fecho do dia. Um momento inesquecível na aventura que está sendo a expedição.

Armamos barracas em uma ponta de praia, alguns minutos abaixo da Aldeia Fontoura. Nesse acampamento consegui pegar meu primeiro peixe, um Mandubé não muito grande, mas afinal, um peixe. Jantamos e nos recolhemos, cansados, mas felizes com o proveitoso e movimentado dia.

 

Veja imagens relativas ao nono dia da viagem.

 

0 votos
TAGs: Sem TAGs

Comentários

Para fazer um comentário, você precisa estar conectado. Clique AQUI e faça seu login.
Powered by EasyBlog for Joomla!